Tarifação de estacionamentos: uma mudança conceitual por surgir?

A forma de tarifação dos estacionamentos privados, principalmente a praticada na maioria dos shopping centers, é costumeiramente questionada por novos projetos de lei e por alguns clientes de forma mais esporádica.

Por diversas vezes, os Tribunais de Justiça e STF já deliberaram sobre a inconstitucionalidade desta intervenção,  pois aponta usurpação da competência privativa da União para legislar sobre Direito Civil e violação do direito de propriedade e dos princípios da livre iniciativa e da livre concorrência.

Porém, um novo “olhar” por surgir sobre o assunto.

1. No início de junho foi sancionada (com vetos) pelo presidente Jair Bolsonaro a lei 14.157/21, que “estabelece condições para a implementação da cobrança pelo uso de rodovias e vias urbanas por meio de sistemas de livre passagem, com o intuito de possibilitar pagamentos de tarifas que guardem maior proporcionalidade com o trecho da via efetivamente utilizado” – o Congresso ainda irá analisar os vetos para posterior entrada em vigor da lei.

Pelo texto, a lei acaba com a necessidade de parar nas cabines para pagar pelo uso das rodovias, tornando a passagem livre.

“Por meio de pórticos instalados em pontos estratégicos das rodovias, o sistema calcula o percurso atravessado por cada veículo” – afirmou José Carlos Cassaniga, diretor executivo da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) em entrevista concedida à Revista 4 Rodas em 25/6/21.

pedagio-ponto-a-ponto-2
Créditos: Revista 4 Rodas

2. No último dia 21, a Câmara Municipal de Limeira aprovou um projeto de lei que prevê a devolução aos motoristas do crédito que “sobra” no sistema de estacionamento rotativo quando ele paga o equivalente a um determinado período e não o utiliza, deixando a vagas antes do término do período.

O texto do projeto veta a conversão em valores monetários e restringe a aquisição do tempos de estacionamento por meio do aplicativo que faz a gestão do estacionamento rotativo no município.

O projeto foi encaminhado para sanção (ou veto) do prefeito.

Créditos: diáriodejustica.com.br

A pergunta que fica é a seguinte:

Já vimos, no início deste artigo, que por “força de lei” dificilmente os estacionamentos privados terão que mudar a sistemática de tarifação de suas estadias, mas, com a implementação de um modelo diferente – e aos olhos do consumidor, “mais justo” – o mercado não acabará por regular um novo modelo a ser aplicado na metodologia de cobrança?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: